domingo, 29 de dezembro de 2013

Os nossos amanhãs

São tão simples...
Tão próximos
Tão nossos
Tão de todos
Quase travesseiros
Levo em alma os caninos azuis prussianos do Zé. 
O quadro do Eterno em 3Dele. 
E toda  a existência terrestre em convivência que voou numa pipa de julho a agosto.
Voilá!

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

O desconhecido mais famoso do momento: Robson, ou Robinson,do Attimo,

Estivemos no surpreendente restaurante  Attimo,em São Paulo-SP, assinado pelo chef Jefferson Rueda e vitalizado por Jeffinho(seu avatar?), um Rueda, que de Rueda sei pouco e muito desde a infância, família Fagiolo, São José do Rio Pardo (SP), berço euclidiando, cidade que foi parar no mapa da Itália no cardápio do restaurante (sem mencionar Euclides da Cunha (será que há algo contra Os sertões? Não!...), apenas embalado pelo humor de uma ótima carta de vinhos e sabores; mas minha memória  é  tia Maria, irmã de meu pai Fagiolo e de tio Chico, o Rueda, por volta dos anos 40 e que nem sei de quem Rueda é o Jefferson, um riopardense da gema,como eu sou das claras, a gente logo pensa em Tia Maria e Tio Chico,Bar Chic,os filhos Zula, Lena, Walter, como se fossem únicos, a exemplo de minha própria família, não souberam conviver juntos e nem separados. Mas, fomos ao Attimo, uma delícia e super engajado numa super nova (gastronomia) revisitada desde o estábulo, o chiqueiro,  o terreiro, o paiol, a horta, o açude, o alambique e o fogão e a lenha. Tacho, bule de ágata, varal de embutidos, piso de vermelhão, dispensa, forninho.Quintal. Dos quais Jeffinho extrai essências límpidas, aromáticas, súbitas,saborosas sofisticadamente  simples. 

Um atendimento muito legal, Robinson está na sobreloja do Attimo, adega climatizada do néctar.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

2014, um ano cavalar com a mínima e preciosa partícula

Não tenho retrospectivas a fazer
O ano não me poupou de adeuses
Não foi um, nem dois, nem três,
foram mais. 
E me colocou nas mãos, 

a chave de todas as dores 
e se houverem mais...
 abri novas portas 
meditante
hesitante
fulminante
diante 
de cada uma delas, 
finalmente, 
me deparei  
exultante
com  
a planície de oásis. 
Só posso dizer :
estamos cada vez mais próximos 
do Universo que somamos
distantes

sábado, 30 de novembro de 2013

Surpreendente

Viver é tão 
de repente!

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Sul a Sul

Olhei, olhei
sondei, farejei, vasculhei
feito bússola
todas as noites,
todas nas quais
me posicionei ante
perante
diante
adiante
a estrela mais brilhante
pulsante
irradiante
a mais
no meu portão,
dia a dia
noite ante noite
até doer
até raiar
até roer
e agora
olho-me
sul a sul
me vejo ante mim mesma
me olhando
no portão sul
ao mesmo 
contrário 
igual
de mim mesma
tão meu
nosso
espelho

hora de ir
embora
soube vir
sabe
agora

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O altar inimagináaaaavel do SIM

tenho dois sabores
por enquanto
por encanto
sabidos
degustados
de antemão
dois olfatos
ouço em dobro
meu amor bate em vários corações
dentro de mim
minhas almas
 com a alma
me levam
levitando
voando
sobrevoando seu jardim
muito de mim
se revezam
as asas
de almas
 e rezam e oram e riem
troçam
das troças
que me plantei
em mim



quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Iván,um mexicano na Argentina


Ele é um cara legal
e bonito
meu
 tuitando 
desde num sei 
quando
 forte e bravo, como é a coragem
 meio Mafalda (Quino) 
como é a imagem
da cultura e inteligência
e mais inteiro
ou seja
 ele mesmo
educado ao lançar dardos verbais
granadas do que sabe
e sabe muito
mais.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Reviver o mar

Renascer ao mar:
primeiro
chegar ao mar
depois
mergulhar os tornozelos no mar
em seguida
ajoelhar no mar
mais um esforço espiritual
ficar de quatro nas ondas da praia do mar
um esforço maior ainda 
divino
navegar profundamente na praia
de todas as pegadas possíveis e imaginárias
diante do mar

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

ir à praia sem biquíni, canga, protetor solar, óculos escuros e havaianas

ora, que heresia
o que é que tem
que graça há
Se tudo nada 
 na praia
aquela maravilhosa
praia
a nossa
sem nadar
sem acessório verdadeiro
levamos um berço gêmeo
compacto
debaixo do acento do carro
dois 
em preto e branco,
um muito mesclado,
 inclusive, 
outro inteiro
no feminino
aquela flor primavera maravilha que nem gosto,
mas respeito quem gosta
sombrinha colorida pelo avesso
água doce de beber, quente
se alguém sabe o gosto
da viagemtortuosa
perfume e sabonete:
pranchar no céu
da cabeça do alfinete
um mar
uma onda
um siri
pegamos aqui ou ali
um mar
um amar
uma maresia.



Ai, caí

落ちつまずい
彼女の暖かい唇がキスをする前に
私の歯ではない

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Corredor polonês: tupiniquim

Que isso
Me indagam, me questionam
Me interpelam
Investigam
Olham meu saldo no PIS
Minha aposentadoria
Meus sobrinhos e meus amores
Minha Ranger XLT
Minha vaga na garagem.
Imagine, só faltam me pedir o inimaginável:
provar que vivi até hoje sem eles
60 anos antes e depois

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

adoro ver meu amor caminhar

porque me faz andar junto
passo a passo
se tropeçar
tropecei
meu amor me corrige
sorri:
se trombar, trombei
 amor abraça e ri
foi assim que nos conhecemos:
chorando e sorrindo
e que bela, a dela,postura humana
empertigada
sensual e corajosa
virginiana

domingo, 25 de agosto de 2013

Hoje, nem dormi

 E se o fiz
 acordei
me lembro do chão da cozinha
chorando
meio desajeitado
como é a saudade
de joelhos
Uma voz me tocou ao telefone
Atendi
Ecos maravilhosos do passado
que não encardi
nem embacei
meu espaço
pequeno
Porque
mesmo em dor
me  redescubro
feliz
e descubro
que me apaixonei
dormi solteira
e na bebedeira
acordei casada
com duas cãs...
Eu e as cadelas
Um pássaro
Uma lua
 Um ipê do vizinho
um bolo de laranja
um arroz queimado
um violão mudo
uma sogra mafiosa
Por que a gente não tem mais medo
de caravelas portuguesas
Sou o aborígene
em fado
em orquídea
me deleitando
em rendas e prendas
do verbo amar
bem maturado.


domingo, 28 de julho de 2013

Imponderável nossa passagem Terra

Apreendi com os celestes
que a vida em Terra
se faz de conta
E assim permaneço
no posto de vigia que me coube
Não sondar
apenas vigiar o horizonte
Está aceso ou apagado?
Vou Lá e o alimento
com grãos de Órion

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Em tua companhia, alma

Sigo com a minha quase quieta
bebo e me alimento à tua sombra gigante
Ouço teu ressonar e cantas a canção de ninar
Teus passos apenas roçam o chão
Sussurram na relva
Como é teu coração
Teu dormir e acordar
me desperta


sexta-feira, 19 de julho de 2013

Nunca fomos a Paris

Sai de fininho como quem
já morreu de rir de tudo
e me deixa nuvens 
que só um gênio desenharia
O que elas dizem?
Que todas as minhas lágrimas
se condensaram
e choveram
e chovi
Assim como rimos todas as décadas
e vivemos num eterno abraço
de almas amigas
A fé é indolor?
a fé é dolorosamente a dor?
Disfarçada, maquiada
engana a dor?
À la Fernando Pessoa
À la Maria Bethânia
que você tanto amou
Esta lacuna é imperdoável
Queria ir também
me ensine como se faz isso

(ao meu mais genial e maravilhoso amigo José Riviti)

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Trafego por caminhos de mim

E o dia tem duas noites:
a hora em que acordo
a hora em que eu durmo

domingo, 23 de junho de 2013

Somos todos de circo

Nem me toca
Sua vida
Vadia
Fria
Cheia de energia
uma alegria
pobre
Me toca
A sua energia
Vadia
Cheia de vida
que me extasia
nobre

domingo, 2 de junho de 2013

Pele de cobra venenosa...

Me entrelace
tome conta de mim
sem pressa
há interesse
se está a fim
 da presa

Me beije
me fareje
feito fera
que zomba 
da armadilha
seguindo a trilha
ciente
da espera ruim


quinta-feira, 30 de maio de 2013

Cotinha, beleza de pessoa, 'boa viagem' ...

Não vou esquecer
Cotinha, 
acotovelada no muro pequeno
olhando a Serra  São José,
monumental
e a rua Sabará
em Tiradentes- MG
Tossindo  às seis da manhã
Seu fogão à lenha,
Risonha
Com o  fiel Pierre, cão,
Mãe de todas as desgraças  
e bênçãos
Minha referência de entrada e saída
Em casa mineira
Perguntava a ela: vou a São João Del Rei
Que alguma coisa?
Ela: não: boa viagem!
Cotinha
Vou a Ribeirão Preto
Quer alguma coisa?
Ela, sorrindo: não, Boa  viagem....


segunda-feira, 27 de maio de 2013

Leilão das almas

Escrevi outro dia:
 quero ir embora da minha vida
Dias antes havia escrito: 
quantas decepções suportamos para um mesmo final? 
Ou 
Quantos finais carregamos para uma mesma decepção?
Na verdade, ando meio cansada de ver meus sonhos realizados nos outros.
Fui embora?
Não.
Continuo aqui.
Colecionando.
Olhando para trás
posso contar uma linda e rápida história
Amarga e doce.
E assinar embaixo
mesmo acima delas.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

A idade do nosso tempo, quem sabe?


I
Ao se apaixonarem
Enquanto estiverem juntos
Amalgamados
untados
Fiquem junto à vontade
Não atados, apenas ligados
Por um fio de esperança
Façam quase perfeita a unidade
Lado a lado, como quadrados
Como se a Física não existisse
E, se existe, façam a Química,
A Matemática, a Geometria,
A Geografia da mínima confiança
Que se conquista
E se não bastassem, façam de tudo
Para não fazerem porcaria
Porque é
Por um nó ou outro
Da imaterialidade
que se jogam os dados da realidade


II
Sempre gostei
Amei, detestei, odiei
Com sinceridade
Vivi de verdade
Até que o momento se foi
Vívido, independente, carente,
interdependente
E...
Acabou
Zerou o cronômetro da falsidade
Não pudemos mais
Lutar contra a efemeridade


III
Vivemos, sofremos, choramos. rimos
esses argumentos nos mostraram
que o tudo não é capaz
De  nos ligarmos à eternidade


IV
Alguns outros amores
Tivemos
gostosos embaraços
Mas nem laços fizemos


V
Amar novamente?
Aí está a simples
Complexidade...
certamente




domingo, 5 de maio de 2013

Não reaja!, diz a voz da covardia e da omissão

Somos assaltados e violentados
Vem a 'autoridade' legal e diz : não reaja!
O que isso traduz,
dentro do universo hostil à sua vida social e individual?
Que essa 'autoridade' está sem eira nem beira
e nem sabe o que está fazendo no cargo
Mas, está sendo paga para não fazer nada
-protegida
e com a voz horripilante de 'comando'
E somos tão estúpidos que acreditamos!
Por isso, morremos em essência.
Capados e aviltados.
Massa mole, moldada em confeitos.
Não reaja!, senão o cabresto se solta
e seremos capazes de conduzir a nossa própria vida!

terça-feira, 30 de abril de 2013

Eu, mulher, repudio qualquer penetração indesejável em mim

Não creio, em momento algum
que eu deva me submeter a algo ou alguém 'superior' a mim
Isso é patologicamente doentio, redundância...
Não faz nenhum sentido sofrer por imposição
nem de fracos, infelizes ou bem sucedidos
com a doença do poder
nem esconder minha vida de mulher
meus sonhos
minha alegria
meu corpo
mental, emocional, intelectual, cultural, feminino
nem minha alma
nem meu contrário
nenhuma política, economia, escola, credo,escolha, educação
me submete à irracionalidade de quaisquer uns destes
Não estou apta a me sentir ultrauterina  um depósito de espermatozóides
nem intrauterina
Ainda mais com violência dentro de um Universo tão delicado
que é o corpo material de uma mulhar
Qualquer ser  que ainda se serve a este propósito
para 'sobreviver' está no espólio de uma humanidade atrasada e bestial
Estupro ocorre mais em homens que em mulheres
E eles denunciam?....Nem pensar.

terça-feira, 23 de abril de 2013

A porta de saída


É quando
na madrugada silenciosa
o sopro da noite
frio e leve
visita a sala
afasta a cortina
da porta envidraçada
aberta
lá está
no alto
de frente
nos encara
a estrela brilhante
que nos observa
fixamente
Talvez haja
uma mínima chance
no passeio da porta
misteriosa
a saída

sábado, 20 de abril de 2013

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Um quase anjo sem asas, Cely

Ela despencou de uma efemeridade
meiga e linda
Encontrou o chão que tanto não pisara
Foi uma saída?
Espero que seja a entrada
para a tão sonhada
 eternidade
Obrigada por me ensinar a andar de bicicleta .
embora fosse muito mais jovem que eu,
era menina, ela era criança,
quase dez anos de diferença
e pela sua amável presença,
que cantarolava ao acordar
pelo corredor de casa
no início dos anos 70.

sábado, 13 de abril de 2013

Viver até daqui a pouco, que demora


Espero horas
Amanhã
Que já é hoje
Me incomoda
Há uma certa esperança
Que me ignora
Embora seja
O que mais desejo
Aos poucos
Me importa
O tempo que me
Exporta
 pra fora

quinta-feira, 4 de abril de 2013

A Nuvem e a Rocha

Não é sempre
mas quase
me sinto capaz
e incapaz
de soprar uma rocha
e de carregar uma nuvem

sábado, 23 de março de 2013

O precipício ultramoderno da garagem

Debruço-me sobre o chão
que nos cabe
 em uma década só cabe um carro, 
 dimensões do  poder econômico
da  tara
do sonho
mínimo
pequeno
Grande? 
faz-me rir
Falam de ruas
abertas a 
  bicicletas....
Vias viáveis e transitáveis
Deliram... não?
Nem as estradas são confiáveis
De que falam, então?

domingo, 17 de março de 2013

O longe


Quando nos distanciamos 
de um foco
Que nos cega 
de tão próximo
Vemos tudo o que não vimos
 de perto
Em detalhes

sábado, 16 de março de 2013

Nem bem Francisco assume o leme da igreja católica, pedofilia entra para o roll de doenças

Impressionante.
Seguindo essa horrorosa linha de pensamento oportunista:
E os estupros? devem ser considerados 'desvios de conduta'...
E os abusos? coisas de adolescentes rebeldes...mesmo crescidos
E os assassinos convictos? meros erros educacionais....mesmo condenáveis
A maioria hoje diz que precisamos de educação
A educação é o cerne
E quem não tem aprendizado?
nem mãe e nem pai?nem escola? nem família? Nem religião?
E quem não tem acesso a nada?
E quem tem, e que ainda continua desclassificado?
Eis o Papa Francisco. Senti um baque: São Francisco de Assis!
Que inspiração política do novo Papa. Sacada, genial, de Dom Cláudio Hummes...!
O papa Bento 16, nada bento, fez o que pode com a riqueza e os conchavos.
Deu no que não deu. teve que sair de fininho.
Entrou o troglodita pacífico, disposto a arrancar as jóias e colocá-las no prego.
Temas como gays, lésbicas e simpatizantes são dignos de retaliações:
Não está no plano de Deus...
Que Deus? Que Cristo?
 Nunca li nada neles sobre o assunto especificamente.
Pedofilia , pode. nada mais natural, papar anjos. 
A sociedade humana não tem muito paladar,
porque prefere a borrasca do pornô e da mentira adulta.
E aí? Espero que as sandálias rotas e franciscanas
ardam e abundam no novo Papa...
Com minha reverência ao verdadeiro caminhar de Francisco!
Levem-me pássaros, borboletas,
todos os animais do Planeta
nas asas puras de Francisco....



domingo, 10 de março de 2013

O cheiro da noite

Tem gosto,
tem,
de  
gelo derretido
lápis apontado
lascas de canela
madeira cortada
poeira de estrada
buraco
papel amassado
suor de ônibus
vela acesa
banho dormido
postiço
pólvora quente
sangue
lixo
tem gosto de
 rua 
vento
barulho
meteorito
tem gosto de mato verde
bueiro aberto
pano de prato
tesoura
sorriso amarelo
remédio
de não cheirar bem
também tem
gosto de 
aquarela
ninho
nuvem
anos luz
viagem
...
garrafa vazia
latinha amassada
casca de limão
página virada
livro esquecido
roupa usada
....
sequela
...
o cheiro da noite
tem gosto de Terra.






quinta-feira, 7 de março de 2013

Sonhos feridos


Você tem um amor
Sonhou
Que nunca virá
Nunca virá
Sonhou
Sem promessas
Querida
Querido
Não adianta chorar
Você tem um amor
sonhou
Que nunca virá
nunca virá
Não perca o sono
É a vida
E na vida
Não adianta chorar

sexta-feira, 1 de março de 2013

Uma única abelha esmeralda...

Visitou meu apto ontem
na cidade urbana,
poucos vasos,
em sacada,
 muitas plantações,
daquelas de alma...
Nunca a havia visto
assim
em casa
Me surpreendi com alegria
depois, com tristeza
Onde está a SUA casa,
rainha esmeralda?

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Na madrugada que nasce


Faça sua prece
não se apresse
Olhe o céu que acontece
Uma penca de estrelas
Aparece
O silêncio que adormece
Logo será  um barulho
Que se reabastece
Esquece
Faça sua prece

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

As pessoas gostam de morar...

Sala, quarto, cozinha e banheiro
Talvez um puxadinho
Sala,quarto,cozinha e banheiro,
talvez uma varandinha
os castelos e mansões são para fidalgos e políticos:
aqueles que herdam e não fazem nada absolutamente
até quando fazem
Mas, o que querem, mesmo, é um teto
Por isso são discriminados os sem-teto, até que usem chapéu e marquises
Sempre caem-lhes bem na cabeça
Ou são incendiados
Ótimo, alguns conseguem uma beira aqui outra ali
Mas, e o lixo?
Jogam-no na rua, na esquina, na avenida, na estrada, na praia, no hotel, na viela, no riacho, no córrego, rios e mares...
O lixeiro passa e pega....
A cama, o sofá, o cabide, o tênis, a TV, o fogão, a bosta, as embalagens, a fralda, o modess, a cueca, a calcinha, o feto...
Até cocô de nariz, catarro, camisinha usada, latinha, ampolinha, cadáveres, cadelas, gatas, cachorro vadio...
...o lixeiro passa e pega...
Alguém limpa.
Até o burro surrado e os cds piratas.
Alguém limpa a barra do vômito e esporro...
Latinhas e pets , não!
Isso vale ouro. Grana!
A coleta é boa. Não há desperdício nem poluição....
Então, moramos.



domingo, 10 de fevereiro de 2013

Seu maior adversário é o seu mundo

Não se iluda
Você é seu maior oponente
Tolinho
O mundo em que você acha que vive
é seu opositor
porque você o construiu assim
Não há inimigos
você é seu inimigo

O Planeta Terra agradece a presença de todos e faz um apelo....

Por favor, humanos, sou grata à boa intenção de todos
Foram essenciais e providenciais nesses séculos
= mas, não evoluiram  =
Até passaram de ano
Foram engraçadinhos, simpáticos, mostraram aptidão,
que performance, bonitinhos....
Mas, de agora em diante, 
peço a todos que usaram e abusaram da minha hospitalidade:
tomem seu rumo
Os que aqui quiserem permanecer
tenham a boa educação de contribuir
e que só se reproduzam com o intuito de renovar, realmente, 
a Terra 
nada de usurpar, roubar, destruir,aterrorizar e violar todos os meus filhos!!!!!
= isso é daquele 'outro' Planeta, erraram o caminho?=
Nasçam apenas os que realmente amam este Planeta
Tenho dito.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Nosso invólucro humano

É só uma gaze
com cuspe de camaleão
pétalas de algodão
água de chuva
barrenta
gosma de farinha 
de rosca
sumo de mexerica
suco de limão
 suor de vespa negra
chaga lazarenta
febre do feno
perfume de manjericão
pólen de hibisco
asa de jataí
pé de cabra
vapor de pressão
nuvem
espirro de cão
casca de ovo
raio e trovão
palha de milho
pó de arroz
chulé de cobra
lágrima de jacaré
cecê de pólvora
bafo de escuridão
choro de birra
miolo de pão
gema 
clara
placenta






Embora cheia, a estrada está vazia

É como nosso estômago,
embora cheio
parece vazio...
Nada mais nos sacia
Líquido, sólido
Você sabe o que quer?
Você sabe do que precisa?

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Again: DayBreak of Loneliness or a Small Farm

I want the ground
the beated soil
pounded by swallewed vúdca
deaf ears of sound

Silence of the night
cold gate
daybreak with whip fashion
comes to solve the ticks calm so bright

The morning brings
poor poetries
and they are so proud
the people who visit us
without truth
and fill us up with longing
those ones who do not arrive till us
Lord, what can I do?

Hopelessly, I'm listening for your footsteps
Looking for a meaning
I'm able to be seen
on the crossing of the roads
Can't you see me, yet?
Now, I weigh a net

(30/05/1979 Faculdade de Comunicação Social 'Cásper Líbero', São Paulo-SP- tradução: Hivich)

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Cócegas das estrelas...

Tenho  grandes amigos
a contar nos dedos
há mais de trinta anos aqui
e eles me fazem rir 
a todo momento
gargalhar na realidade
em que nos falamos 
às vezes
e raramente nos encontramos
mas nos vemos
com olhos que a maioria não se vê
Não tenho explicação
São amizades que transcendem o tempo
o universo
a vivência 
a convivência
a natureza
Porque nem precisamos falar
apenas emitimos sons
das palavras
alegremente pronunciadas
É natural
espontâneo
visceral
nada mais falamos fora do escopo realidade
ainda assim extrapolamos
só rimos
porque nos é dada
a verdade
com a qual nos
fazem cócegas
as estrelas...

Como as nuvens no céu de verão inquieto

são densas as tuas mãos
macias
que acariciam e tocam mais que o coração
são tensas as tuas palavras
as esvazia
de farpas que arranham mais que a emoção
podias chover mais
e não porque é só verão
podias jorrar mais
e não porque é apenas verão
podias mais
e não por que sois tuas mãos
é porque cai a garoa em pleno final de janeiro
em Ribeirão
mesmo cuidadas
minhas plantas não sobreviverão
nem sei como será fevereiro
carnaval, 
aí vem março
olhar as nuvens, olhar os humanos
que fazem parte do que 
então?
tuas palmas
em quais das duas acreditarão?


segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Santa Maria (RS) rogai por nós...

Apelo e rezo pela oração universal.
Não a daqui.
A do Cosmo.
Tudo nesse país de 'jeitinhos brasileiros'
arde agora sob a terra
Incendiou um futuro de dimensão inimaginável.
Vai sufocar mais e mais.
Cala-se um Brasil?
Pra variar
Há consequências, sim.
Leis da Física. Leis de Deus.
Para os fanfarrões veteranos da grana alheia, 
estudantes são um público barato, maleável e que estão abertos a ingerir qualquer bomba.
Como os periféricos, suburbanos
Hormônios....
Eu responsabilizaria o Brasil.
Esse mesmo em que você se diz próspero
trabalhador,
profissional, 
estudado, 
culto,
educado
Imagine que ainda soltam pipas com cerol..
Que matam mulheres porque elas abdicaram da servidão
Porque operários se intitulam trabalhadores
O jeitinho de crescer e manipular fraudes e dados falsos
- famosos- 
em nosso território
arde na carne de inocentes
sufocam fatalmente sonhos
fazem  vítimas cruelmente  reais




domingo, 27 de janeiro de 2013

A dor da dor de sentir a dor

Tudo em nós está preparado para tudo
menos nós:
experimentar
desafiar
ousar
descobrir
vivenciar
sentir
decifrar
somar
conceber
compartilhar.
Não, nada disso.
Porque temos outros verbos para conjugar.

De onde viemos, ora,se somos tão tolos...!

Conheço poucas pessoas que falam bem de seus pais
Que trazem lembranças agradáveis de suas infâncias
que gostam de estar em família
Conheço bem poucas pessoas que respeitam outras pessoas
Será por isso?
Tudo o que escuto, na maioria das vezes,
são reclamações sobre tarefas, compromissos, responsabilidade
?:
estudar, limpar o próprio quarto, trabalhar, cuidar de quem está velho ou doente...
Cuidar-se
Alguns dizem: não pedi para nascer...
Ou: não me culpem por este mundo que já encontrei  assim...
Ou: estudando ou não, só ficarei rico roubando ou ganhando...
Ou: tudo é uma droga, por que me preocupar?
Conheço raríssimas pessoas que brilham.
Até me ofuscam.
Até me perturbam
Até me fazem ver
Conheço pessoas tão lindas como pessoas
que me apaixonam
que me impulsionam
e me fazem até viver 
sorrir
Será por isso?



sábado, 26 de janeiro de 2013

Também faço figa, rock!

Cruzo os dedos
torço para tudo dar certo
bato três vezes na madeira
quantos santinhos do Santo Expedito já guardei na bolsa...
Outra famosa: Santa Edwirges!
Oh, endividados...
e os caroços de romã?
Sementes de uvas!
Gosto de estrada, então me lembro de São Cristóvão...
até encontrei uma nota de cinco cruzeiros,
à la Duque de Caxias...no meus guardados,
 num final de ano, sei lá.
Lógico que sou colecionadora...
Ri,hoje, no posto ampm,
a atendente, 
perguntei sobre DVDs de filmes e músicas
e ela disse que havia uma variedade
menos músicas de funk, sertanejas..
Eu; blagh!
E ela, do que vc gosta?
Eu disse sem pensar: rock!
E ela: vc tem cara de quem gosta de rock!
Uó!...
Tôpasma...
Você tem cara do quê?





sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Velas de Mel


Acendo uma, 
espero que seja bem vista 
com o aroma que as abelhas 
amam.
 Mesmo acordar sem a menor noção,
um café coado na hora,
 leva embora 
a sensação que não faz sentido. 
Como olhar 
o chaveiro com um golfinho dourado. 
Desde os Beatles 
cantando no telhado,
 todo mundo agora acha
que pode também.
A chama de mel.
 Quem sabe, 
abelhas não se enganam. 
A baleia do tempo azul, 
com sua cauda fora d água,  
vai em direção à estrela sul.
 Agora o sol brilhante faz quase  
um meio dia lá fora. 
Cresce mais a rama de hortelã, 
se espicha o manjericão, 
samambaias novas e muito verdes,
 uma cortininha 
de dinheiro em penca...